quinta-feira, 21 de novembro de 2013

0

Casa não é Cadeia...cadeia para o Gadelha

 
Fotos: Luis Assis

Integrantes da ONG Justiça é o que se Busca, familiares e amigos da secretária executiva Hiromi Sato, de 57 anos, assassinada pelo marido Sergio Brasil Gadelha, de 74 anos, realizaram mais um manifesto em frente ao prédio onde o assassino confesso cumpre prisão domiciliar. O protesto aconteceu no domingo do dia 20 de outubro de 2013, tendo inicio na avenida Angélica, no bairro Higienópolis, em São Paulo, seguindo até o nº 269 da rua Pará, onde aconteceu o crime e o acusado esta residindo. 


Sérgio Gadelha, réu confesso, em seu depoimento confirma que espancou e estrangulou a esposa. Segundo a policia, Hiromi tinha hematomas no rosto, boca, abdômen e em uma das pernas. O corpo de Hiromi só foi encontrado 24 horas depois do crime, quando Gadelha ligou para uma de suas filhas que acionou o SAMU e a PM.

Vizinhos do acusado, que preferem não ser identificados, dizem que Gadelha é visto fora do condomínio frequentando a farmácia existente na rua ou simplesmente passeando pela calçada. 

Um dos vizinhos do acusado estendeu uma camiseta com a foto de Hiromi na janela em apoio aos manifestantes que gritavam lá de baixo palavras de ordem como: "Casa não é cadeia, cadeia pro Gadelha"

Gadelha se sentiu incomodado com a manifestação e acionou a PM que enviou três viaturas até o local, porém os policiais nada fizeram contra os manifestantes, uma vez que o protesto era pacífico e legítimo.

Sandra Domingues, com informações do IstoÉ Guarulhos



Sandra Domingues, presidente da ONG Justiça é o que se Busca
 entrevistada por Luis Assis, do Istoé Guarulhos.
 
 
 
 
 
 
Arte: Solange Vieira

Nenhum comentário:

Postar um comentário